Pular para o conteúdo principal

Assistentes pessoais e a Saga do contexto


Saga é o nome do assistente pessoal inteligente lançado essa semana. Pode estar surgindo, nesse momento, um concorrente a altura para o Google Now. A conferir.

O produto faz sugestões baseadas no contexto em que a pessoa se encontra. Com isso, ela é notificada por iniciativa do sistema, proativamente.

Se você está no escritório, no final do expediente de uma sexta-feira, ele pode lembra-lo daquele barzinho próximo, que você já se encontrou com alguns colegas em ocasião semelhante.

Definitivamente não se trata de apenas mais um sistema de recomendação de lugares, caminhos, produtos e eventos. A inteligência embarcada no Saga, quer compreender tudo isso e produzir recomendações muito mais relevantes, baseando-se na percepção do contexto onde a pessoa se encontra [e para o qual é suposto onde ela estará], assim como no aprendizado de sua rotina diária.

Sendo os humanos seres com hábitos [e como] então vamos lá compreende-los, certo?  É quase como fazer "profiling" das pessoas [quem  vê o seriado Criminal Minds sabe do que eu estou falando]. 

O cérebro por trás da criação do Saga, disse em uma entrevista pretender que o sistema seja capaz até de identificar se o sujeito é proprietário de um Porsche, apenas ouvindo o barulho do motor [captado pelo microfone do seu mobile].

Como se vê, os assistentes baseados em contexto dependem, em boa parte, de sensores e de conexões com os já conhecidos ecossistemas da rede, especialmente aqueles que os alimentam com dados do "gráfico social" do seu amo. Quem sabe, o  fim [ou quase] da entrada de dados via teclados.

A princípio, o projeto é financiado por investidores, o que nos faz crer que ele não será pressionado a produzir recomendações tendenciosas. 

Não acredito, na verdade, que esses assistentes possam ser totalmente imparciais. Talvez nem razoavelmente parciais. Sistemas que oferecem respostas [ou recomendações] múltiplas, podem até  atenuar os inevitáveis questionamentos sobre comportamentos tendenciosos -  como conversamos aqui no blog no mês passado.

A sua adoção por parte dos usuários dependerá prioritariamente, da rapidez  com que tais sistemas consigam se tornar inteligentes e úteis [talvez um de seus maiores desafios], sob o risco de serem abandonados alguns dias após o download.

Esse tema vem ganhando momento com a chegada de tais  assistentes inteligentes ao mercado. As conversas vão desde as discussões do tipo"minha marca fez primeiro e vocês copiaram"  até o também famoso "como essa tecnologia irá mudar a sua vida".  

Robert Scoble [foto] é um exemplo dessa segunda variante. Ele deve lançar em 2013 o livro "The age of context. How it will change your life and work." Vejam o que ele diz em seu blog aqui >> http://goo.gl/c5MgZ

#saga   #context    #googlenow   #contexto   #contextualcomputing  #assistant  

Postagens mais visitadas deste blog

Uber encomenda 24 mil veículos autônomos. Agora é pra valer! - Há pouco mais de 1 ano a Uber começou a operar em Pittsburgh 100 veículos autônomos modelo XC90 fabricados pela Volvo. "O veículo é parte dos nossos esforços iniciais de pesquisa com sistemas de mapeamento, segurança e autonomia", confirmou a porta-voz da empresa à época, ao Pittsburgh Business Times.

Ainda que seja paradoxal uma fabricante de automóveis servir um prestador de serviços que no longo prazo promete reduzir a demanda por veículos próprios pelos consumidores, as montadoras não têm outra alternativa. "Achamos que é melhor fazer parte de mudanças potencialmente disruptivas em vez de ficar de lado e observar isso acontecer, esta será uma grande mudança para toda a indústria automobilística" disse Marten Levenstam, VP de estratégia de produtos da Volvo."